O Piemonte é uma região italiana muito famosa pela enogastronomia, principalmente pelas maravilhosas trufas e pelos espetaculares Barolos e Barbarescos, entre outros grandes vinhos. Uma região predominada por colinas e estradas que recortam uma paisagem de tirar o fôlego. E quando pensamos em grandes nomes de lá, um deles vem logo à cabeça, ops, ou à taça: Vietti!
Vietti é uma vinícola quase centenária, fundada por Mario Vietti em 1919 e que hoje tem em seu neto, Luca, o grande responsável técnico da vinícola, que comanda a enologia e os vinhedos. E pude estar recentemente com Mario Cordero, que é tido como um dos grandes e revolucionários enólogos do Piemonte e que trabalha na vinícola desde 1979!
No jantar, realizado com maestria no Restaurante moDi, pude provar 3 dos vinhos que Vietti tem aqui no Brasil através de sua importadora, a Inovini. Foram 3 bons exemplares do que a vinícola pode fazer, dentro de seu portfolio que hoje tem 16 diferentes rótulos e cultiva apenas 5 variedades de uvas: Nebbiolo, Barbera, Dolcetto (Tintas), Arneis e Moscato (Brancas).
Vamos aos vinhos e aos pratos:
Vietti Roero Arneis 2014: Arneis é uma uva que quase desapareceu no período da filoxera e que hoje, na região do Langhe, é a branca mais importante. Este vinho em particular, é bem aromático, leve, com boa acidez e excelente como um aperitivo ou para acompanhar uma entrada leve, como o Purê de Batata Doce, com alho poró ao molho de açafrão e frutos do mar grelhado. O vinho custa R$ 158,00
 Vietti Barbera D’Alba Tre Vigne 2013: A Barbera é uma uva maravilhosa, mas que sofre por viver à sombra da Nebbiolo, uva a fama com seus Barbarescos e Barolos. Uma uva que dá vinhos geralmente de bom corpo e excelente acidez. Este especificamente é um belíssimo exemplo do que esperar de um Barbera bem feito. Um vinho com nariz e boca bem intensos, remetendo a terra, ervas e frutas pretas. A madeira também aparece de forma bem discreta, mas dando um bom aporte na estrutura. O prato servido foi um Agnolotti Dal Plin de Leitoa com lentilha verde e cotechino artesanal. Harmonização perfeita em aromas, sabores e estrutura! Vinho custa R$ 160,00.
Por último, a grande estrela da noite, o Barolo Castiglione 2010. Feito com a uva Nebbiolo, uva com cor que chega a se confundir com um Pinot, mas que na boca traz taninos muito marcados e presentes. Os bons Barolos podem durar muitas décadas se bem armazenados e são vinhos que quando muito novos, precisam de um bom tempo para abrir. Este é o Barolo Classico do Vietti. Um vinho que são utilizadas uvas de 11 diferentes vinhedos e passam pelo processo clássico de fermentação. Segundo Mário, 2010 foi uma safra maravilhosa e este vinho deve envelhecer bem por muito tempo ainda. Com o maravilhoso lombo de javali grelhado com crosta de amêndoas e purê de batata e acelga, o vinho cresceu ainda mais!
Pratos maravilhosos, vinhos incríveis e um papo pra lá de interessante com o Mario. As harmonizações, pensadas e executadas pelo chef Diogo Silveira e pelo competente amigo Luis Felipe Campos, consultor de vinhos do moDi, deram um show. Uma noite memorável!
 CHEERS!!

EnoDeco no Instagram: http://instagram.com/enodeco

Siga o EnoDeco no Twitter!

Torne-se um fã do EnoDeco no Facebook!

Beba moderadamente! O excesso de álcool é prejudicial à saúde

Deixe uma resposta

Digite seu comentário
Digite seu nome aqui