Alto Las Hormigas. Este nome, para mim é um marco no mundo do vinho, pois este vinho foi um dos primeiros vinhos que me marcou pelo custo x benefício, sem que eu entendesse nada de vinho. Eu apenas gostava. Hoje, vejo como estes vinhos são importantes para entendermos a grande variedade de Malbecs que existe na Argentina hoje, particularmente em Mendoza e como os diferentes terroirs (palavra que resume o conceito do local em que estão plantados os vinhedos e que são influenciados por ventos, chuva, insolação, tipos de solo e até pelo homem, entre outros fatores) influenciam no vinho final.

Em uma palestra e degustação com o enólogo da vinícola, Leo Erazo, a Gerente de exportações, a querida Estefy Litardo e o sommelier Hector Riquelme, a importadora World Wine e a Enocultura, mostrou um pouco desta diferença de vinhos nos variados terroirs. Ah, vale dizer que são vinhos organicos.

Mendoza é um paraíso para a Malbec. E dentro deste paraíso, há diferentes regiões que mudam o tipo de solo, a altitude e até mesmo o clima. Algumas mais próximas dos Andes, outras mais afastadas. Algumas com solos aluviais, outras com solos coluviais. Algumas a menos de 1.000 metros de altitude, outras a mais. E por aí vai. São muitas diferenças que obviamente se refletem no vinho final. Um fator muito importante é a presença de pedras no solo. Numa região muito quente como Mendoza, principalmente nas mais baixas, estas pedras são aquecidas durante o dia e se mantém quentes a noite. Isto significa que quando era o momento para estar mais frio e a videira fazer a respiração numa temperatura mais baixa e assim subir o nível de acidez das uvas, por conta do calor das pedras, a temperatura está acima do necessário e a acidez não é como deveria na uva e consequentemente no vinho. Já numa região mais alta, que as noites são bem mais frias, o calor destas pedras são muitas vezes desejados. Indo para a materialização disto tudo, tivemos alguns vinhos:

 

ALTO LAS HORMIGAS MALBEC CLASICO 2014: Como o nome diz, um clássico. Sem madeira, mostra bem o que é a malbec pura, sem madeira. Muita fruta preta, violeta e uma acidez maravilhosa. Um vinho fácil de beber, simples no bom sentido. R$ 85,80 ALTO

LAS HORMIGAS MALBEC TERROIR 2013: Aqui, a fruta começa a ter uma pegada mais madura, de geléia, de algo mais doce. Com seus 12 meses em foudres, inox e cimento, ele já tem mais estrutura e a acidez baixa um pouco, mas assim mesmo é muito boa. R$ 112,20

ALTO LAS HORMIGAS MALBEC RESERVE 2013: Um vinho mais fechado, mais parecido com os malbecs que estamos acostumados. Com 18 meses em foudres e mais 12 meses em garrafa, é um vinho de boa guarda. Aqui também a geléia de amoras explode no nariz e na boca. Por não serem barricas novas e pequenas, a madeira destes 18 meses é bem delicada e sem excessos. R$ 233,20.

ALTO LAS HORMIGAS MALBEC APPELLATION 2013: Aqui, 3 vinhos de diferentes terroirs do Vale Uco foram comparados: Altamira, Vista Flores e Gualtallari. Para não falar de um por um, vou falar das diferenças principais de cada um: O Altamira é o mais delicado de todos e leva um aroma e um sabor bem diferente, algo que lembra remédios. O Vista Flores tem mais estrutura, taninos mais presentes e final de boca mais longo. E o Gualtallari é o mais fechado no nariz, porém o mais intenso em taninos e frutas maduras, além de ser o mais alcoólico. 3 estilos diferentes, com formas de vinificação iguais e com resultados finais completamente diferentes, especialmente do primeiro (Altamira) para os outros dois. Em termos de solo, a principal diferença é no solo de Gualtallari, onde o calcário é menos presente.

Realmente uma aula de terroirs, por uma vinícola que tem propriedade e qualidade para levantar esta bandeira!

 

CHEERS!!

EnoDeco no Instagram: http://instagram.com/enodeco

Siga o EnoDeco no Twitter!

Torne-se um fã do EnoDeco no Facebook!

Beba moderadamente! O excesso de álcool é prejudicial à saúde

Deixe uma resposta

Digite seu comentário
Digite seu nome aqui