Catena é um nome que dispensa apresentações no Brasil e no mundo. Vinícola que todo amante brasileiro de vinho, conhece. Uma vinícola familiar que hoje é sinônimo de vinhos de qualidade e principalmente, de investigação e inovação, capitaneadas pelo craque e reconhecido enólogo Alejandro Vigil. Pra se ter uma idéia, O primeiro rótulo de Malbec lançado foi o Angelica Malbec em 1992 e depois vieram todos os outros.

Numa apresentação bem didática feita pelo embaixador da marca no Brasil, o competente amigo Marcelo Vilhena, pude provar vários lotes de parcelas e vinhedos diferentes de Malbec, que juntos, compõe o corte do famoso Catena Alta 2013.

O primeiro lote foi do vinhedo Angelica em Lulunta, região onde foram plantadas as primeiras videiras de Malbec da Argentina. Numa altitude relativamente baixa (860 m) e quente em relação aos demais por estar em Maipú, temos aqui um vinho com mais frutas maduras e tbm a sempre presente violeta dos Malbecs.

O segundo vinho vem de uvas do vinhedo La Pirâmide, em Agrelo, em Lujan de Cuyo. Uma região próxima à Lulunta mas com altitude mais elevada (950 m) e temperaturas um pouco mais baixas. O vinho de fato tem menos fruta madura, mas tem perfil muito parecidos.

O terceiro vinho vem de uma região completamente diferente, mais alta, mais ao sul e que tem sido alvo de investigações e plantações de varias vinícolas! Vindas do vinhedo Nicosia, em Paraje Altamira (Valle do Uco), a 120 km ao sul do centro da cidade e 1.230 metros de Altitude e temperaturas mais baixas, em média 7 graus a menos. E aqui o bicho é bem diferente. Muito mais acidez, menos fruta madura, mais flor e mais mineral.

De Tupungato e de lotes muito próximos, vem os 2 últimos vinhos, porém com 100 metros de altitude de diferença: O lote 9 a 1.500 metros e o lote 3 a 1.400 metros. Vinhos muito similares, talvez o lote 3 com um pouco menos mineral e mais flores.

E pra terminar, o blend de todos eles, que incrivelmente tem um perfil muito diferente, levando para um perfil mais evoluído, mais herbáceo, couro e também, claro frutas como ameixa e cereja. Um vinho elegante e pra mim, surpreendente. O Catena Alta 2013 custa na Mistral, importadora exclusiva dos vinhos da Catena, US$ 84,90.

Foi uma experiência muito bacana poder analisar altitudes, solos, temperaturas e ver como cada parcela aporta diferentes características a um blend final que pra mim, foi inesperado, positivamente.

Até a próximas!

Abraços, Déco

Deixe uma resposta

Digite seu comentário
Digite seu nome aqui